Som dos Sinos é um projeto transmídia pioneiro na utilização de novas mídias para divulgação do patrimônio cultural imaterial brasileiro. Tendo como foco o toque dos sinos e o ofício de sineiro, Som dos Sinos trabalha com a combinação entre memória e novas tecnologias por meio de uma plataforma web interativa e de um aplicativo para celulares com paisagens sonoras georeferenciadas, além de projeções públicas a céu aberto.
Projeto contemplado pelo Programa Eletrobras Cultural 2014 e vencedor do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade – IPHAN, 2016.

PRODUTOS:

1- Documentário “O Som dos Sinos” (Doc, 70’, 2017)

Direção: Marcia Mansur e Marina Thomé

Distribuição Internacional & Vendas: Documentary Educational Resources

O documentário longa metragem “O Som dos Sinos” foi convidado a participar da Competição Oficial do XXVII Festival Biarritz América Latina (França, 2017), 42º Margaret Mead Film Festival (National Museum of Natural History, New York, 2018), 21º Florianópolis Audiovisual Mercosul (Florianópolis, 2017), Market Screenings Guadalajara Film Market da 32ª edição do Festival Internacional de Cinema de Guadalajara (México, 2017), Media Library Doc Outlook- International Market do Festival Visions du Réel (Suíça, 2017), XVII Boston Latino International Film Festival (2018), 2ª edição do Heritales (Évora, Portugal), 8th International Folk Music Film Festival at Music Museum of Nepal (Kathmandu, 2018), 1ª Mostra Sesc de Cinema Paulista (São Paulo, 2017), 1º Festival do Filme Etnográfico do Pará (Pará, 2017), 8º Festival Internacional do Filme Etnográfico do Recife (Pernambuco, 2017), V Mostra de Filmes da VII Semana Fluminense do Patrimônio (Rio de Janeiro, 2017), Jornadas de Antropologia John Monteiro (Campinas, 2018).

O documentário “O Som dos Sinos” foi licenciado para o Canal Brasil em 2018.

[Prêmios]

  • Prêmio Oficial do Juri de Melhor Documentário 21º Florianópolis  Audiovisual Mercosul – FAM (Brasil – Florianópolis, 2017)
  • Menção Honrosa | 2º Heritales – International Heritage Film Festival (Portugal, 2017)
  • Melhor Direção de Fotografia | 1ª Mostra Sesc de Cinema Paulista (Brasil – São Paulo, 2017)
  • Melhor filme etnográfico na Jornadas de Antropologia da UNICAMP (São Paulo, 2018)

                    

[Sinopse]
Em Minas Gerais, toques de sinos anunciam e marcam o ritmo da vida dos moradores das cidades históricas. O tempo do trabalho, do descanso, da oração, da celebração. Os sineiros, personagens do alto das torres, aprendem como comunicar mortes, partos, incêndios, missas e horários sacros. Os toques dos sinos de hoje se transformaram através do tempo, misturando à sua origem colonial a forte presença africana no Brasil. O documentário é uma representação da experiência religiosa no cotidiano e busca o universo simbólico da fé íntima e das cidades onde reverberam os toques dos sinos, registrados como patrimônios imateriais brasileiros.

“Finalmente, um documentário moderno” – Wolf Gauer

2- Aplicativo Som dos Sinos (acesse: http://somdossinos.com.br/app/)

Um áudioguia a céu aberto no qual o usuário pode escutar diversos toques de sinos com GPS de localização para igrejas em 9 cidades históricas de Minas Gerais. O aplicativo está disponível para download gratuito na APP Store e na Google Play)

 
3- Plataforma Multimídia: http://www.somdossinos.com.br

Plataforma bilíngue com cartografia de sons (toques de sinos, entrevistas com sineiros), acervo de pesquisas realizadas sobre o tema, sessão Video Cartas (ferramenta interativa onde os usuários podem enviar mensagens audiovisuais).

4- Documentário Interativo

Antes eles marcavam o tempo da vida nas cidades do Brasil. Hoje tocam mais tímidos, sem tanta certeza do futuro, mas ainda falam com quem quer escutá-los. Você está convidado a viajar, no seu próprio ritmo, por este patrimônio imaterial brasileiro.

Coloque seu fone de ouvido e suba ao campanário. SUBA: http://webdoc.somdossinos.com.br

Screen Shot 2016-03-10 at 17.29.47

5- Cinema Itinerante (Sessões à céu aberto, com pipoca):

Projeções audiovisuais nas fachadas externas de igrejas das 9 cidades, deslocando o interior das torres para as praças das cidades.